RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - No quarto encontro do seminário “Arte e Cultura Popular – O que muda quando a perspectiva racial entra em cena?”, os historiadores vão debater as estratégias de luta contra a intolerância e o racismo religioso, entre outros assuntos

A coordenação é da historiadora Martha Abreu e dos antropólogos Vinícius Natal e Angela Mascelani, diretora e curadora do Museu do Pontal.

O Museu do Pontal convida para o quarto encontro do seminário online “Arte e Cultura Popular – O que muda quando a perspectiva racial entra em cena?”, que será realizado na próxima segunda-feira, 25 de outubro de 2021, às 18h, com transmissão ao vivo pela plataforma Zoom. O tema "As religiões afro-brasileiras e a luta contra a intolerância" vai conduzir a conversa entre os historiadores Anderson Oliveira (UNIRIO), Luiz Antonio Simas (UFRJ) e Vinicius Natal (LABHOI/UFF).

As manifestações religiosas sempre foram as mais sensíveis e as mais difíceis de serem trabalhadas no universo das expressões da cultura popular, em função das fortes disputas e intolerâncias no campo religioso. Neste encontro serão discutidas, entre outras questões, as estratégias de luta contra a intolerância e o racismo religioso; como entender os trânsitos culturais religiosos; e sincretismos ou apropriações.

O seminário é voltado para o público em geral, e em especial para profissionais de educação, cultura e turismo, estudantes, artistas e demais interessados no assunto. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia do evento. Para receber o certificado de participação, o interessado deverá ter presença completa em 80% da programação dos cinco eventos previstos.

As inscrições são gratuitas, e podem ser feitas pelo link
https://www.sympla.com.br/religioes-afro-brasileiras-e-as-lutas-contra-a-intolerancia---4-encontro-s-arte-e-cultura-popular__1383374

Luiz Antonio Simas (1967, Rio de Janeiro) Luiz Antonio Simas é escritor, professor, educador, historiador, poeta e compositor. Tem 21 livros publicados sobre diversas temáticas ligadas às culturas populares brasileiras e sociabilidades construídas a partir da rua. Ganhou o Prêmio Jabuti de livro do ano de 2016, pelo Dicionário da História Social do Samba, escrito em parceria com Nei Lopes e foi finalista do mesmo prêmio em três outras ocasiões. Desenvolve desde 2012 projetos de história publica, memória e educação popular em bares, calçadas e praças dos subúrbios do Rio de Janeiro.

Anderson José Machado de Oliveira
Doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense. Professor Associado da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e Pesquisador do CNPq. É autor do livro “Devoção Negra: santos pretos e catequese no Brasil Colonial”; organizou os livros “Dimensões do Catolicismo no Império Português (séculos XVI-XIX)” – em parceria com William de Souza Martins – e “Historia de Clérigos y Religiosas en las Américas: conexiones entre Argentina y Brasil (siglos XVIII y XIX)” – em parceria com Valentina Ayrolo; tem artigos publicados em diversas revistas acadêmicas e também capítulos de livros publicados no Brasil e no exterior. Lidera o grupo de pesquisa ECCLESIA – Grupo de Estudos de História do Catolicismo.

SOBRE OS COORDENADORES
Martha Campos Abreu – Historiadora e professora do PPGH e do ProfHist da UFF
É professora titular do Instituto de História da UFF, atuando nos programas de pós graduação e no mestrado profissional em ensino de história. É pesquisadora do CNPq e desenvolve trabalhos nas seguintes temáticas: história da diáspora africana nas Américas, cultura popular, música negra e patrimônio cultural. Coordena o projeto Passados Presentes: memória da escravidão no Brasil.

Vinicius Natal – Antropólogo e pesquisador associado do LABHOI/UFF
É graduado em História pela UFF, mestre e doutor em Antropologia pela UFRJ. Possui pós-doutorado em História da Arte pela UERJ. Já atuou como diretor de pesquisa do Museu do Samba, diretor cultural do GRESU Vila Isabel e Coordenador de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do município do Rio de Janeiro. Atualmente, é pesquisador de enredos do GRES Acadêmicos do Grande Rio.

Angela Mascelani – Diretora e curadora do Museu do Pontal
Doutora em Antropologia pela UFRJ (2001), tendo estudado colecionadores de arte popular no Brasil, e Mestre em Artes Visuais pela UFRJ (1996), com pesquisada centrada na coleção formada por Jacques Van de Beuque. É autora dos livros: “O Mundo da Arte Popular Brasileira” (Ed. Mauad, 2000), com diversas edições; “Caminhos da Arte Popular: O Vale do Jequitinhonha” (MCP, 2008), que condensa suas pesquisas e viagens ao longo de 15 anos na região. É pesquisadora e atua há 25 anos na gestão e no planejamento do Museu do Pontal, compartilhando essas atividades, nos últimos 15 anos, com Lucas Van de Beuque.

Serviço
Quarto encontro do Seminário online – “Arte e Cultura Popular –O que muda quando a perspectiva racial entra em cena?”, com o tema "As religiões afro-brasileiras e a luta contra a intolerância"
25 de outubro, das 18h às 20h
Inscrições gratuitas pelo link
https://www.sympla.com.br/religioes-afro-brasileiras-e-as-lutas-contra-a-intolerancia---4-encontro-s-arte-e-cultura-popular__1383374
Plataforma Zoom
Patronos: Lei de Incentivo à Cultura, Instituto Cultural Vale, Itaú, BNDES,
Prefeitura do Rio
Patrocínio: Repsol Sinopec Brasil, Cobra, Elecnor Brasil
Realização: Ibram/Secretaria Especial da Cultura/Ministério do Turismo

Canais digitais do Museu do Pontal
Site: http://www.museucasadopontal.com.br/
Instagram: @museucasadopontal
Youtube: www.youtube.com/museucasadopontaloficial
Facebook: @museucasadopontaloficial

Fonte: divulgação por e-mail

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31