DISTRITO FEDERAL, Brasília - “A nação é dentro da minha casa”, afirma dona Marivalda Maria dos Santos, 67 anos, rainha do grupo de Maracatu Nação Estrela Brilhante, do Recife (PE), convidada desta sexta-feira, 12 de junho, da ação Patrimônio Cultural #EmCasa.


Arquivo pessoal (Foto: divulgação/Iphan)

E a rainha reina no alto do Casa Amarela, bairro da capital pernambucana. É no bairro que a casa de dona Marivalda irradia cursos, oficinas e festas, referência para diversas comunidades do entorno. O ponto alto do Maracatu Nação é no Carnaval do Recife, mas na casa de mestra tem atividade para um ano inteiro. Toda uma história de mais de 100 anos que ela vai contar durante o bate-papo musical, promovido a partir da parceria entre o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e mestres e mestras da cultura popular.

O título de rainha, conferido a dona Marivalda, é uma tradição que reproduz a liderança no grupo e se remete às coroações de reis e rainhas congos no século XIX. “Sempre fui do Maracatu. Sou nascida e criada no Casa Amarela. Minha mãe era do maracatu, fui ficando e assumi o grupo”, conta a rainha, que está à frente do Nação Estrela Brilhante, fundado em 1906, totalizando 113 anos de existência. E a rainha é do candomblé, mais uma marca do Maracatu Nação, cuja prática está historicamente relacionada às religiões de terreiro, como o candomblé (também conhecido como xangô em Pernambuco), a umbanda e a jurema.

“O maracatu mora comigo”, diz dona Marivalda. “A nação é dentro da minha casa. Eu agreguei aqui. Todo dia tem atividade. Oficina de tambor, corte e costura, adereço”, completa ela. A casa da rainha, além de sede do Estrela Brilhante, é um Ponto de Cultura. É também na casa dela que, no dia 16 de julho, se comemora o aniversário do grupo: bolo do festejo e caldeirões de feijoada são produzidos. Este ano, porém, a festa foi adiada em função da pandemia, que mudou um pouco as atividades na comunidade. Foi para amenizar os impactos socioeconômicos da pandemia, que a sede do Nação iniciou uma campanha para arrecadar mantimentos e materiais de limpeza que são redistribuídos nas comunidades ao redor.

A vivência da corte de dona Marivalda, as atividades da casa e as mudanças por conta da Covid-19 serão contadas pela mestra. A ação é realizada com o objetivo de visibilizar saberes e práticas de bens registrados como Patrimônio Cultural do Brasil, além de destacar a necessidade do isolamento e do distanciamento social como principais medidas de contenção do contágio da Covid-19.

Maracatu Nação
Tambores e caixas, reis e rainhas, batuques e pálios compõem o Maracatu Nação ou Maracatu de Baque Virado, manifestação que é marca do Carnaval do Recife e região metropolitana. Registrado como Patrimônio Cultural do Brasil em 2014, a manifestação reúne elementos essenciais para a cultura popular traduzidos nas memórias e identidades da população afro-brasileira. Outras características do Maracatu Nação são sua forte vinculação a religiosidades de terreiro, como o Xangô (religião dos orixás em Pernambuco) e na Jurema, além das práticas que remontam às coroações de reis e rainhas congo.

Serviço
Patrimônio Cultural #Emcasa
Data: 12 de junho de 2020, às 18h
Local: na sua casa
Para assistir, basta acessar as redes sociais do Iphan:
www.facebook.com/IphanGovBr
www.twitter.com/IphanGovBr
www.instagram.com/iphan.gov.br

Fonte: Iphan

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31