MINAS GERAIS, Belo Horizonte - Informações sobre a infraestrutura de uma cidade, seus equipamentos de apoio ao turismo e atrativos são fundamentais para o planejamento, a gestão e promoção da atividade turística de uma região – por isso, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) incentiva a atualização constante desses dados por parte dos municípios.


Foto: John Brandão

Aqueles que fazem parte da Política de Regionalização da Secretaria têm livre acesso à Plataforma Integrada do Turismo, coordenada pela Secult. Assim, as informações disponibilizadas pelas cidades mineiras alimentam o Inventário Turístico e o Portal Minas Gerais.

É por meio do Inventário Turístico que os municípios são incluídos nas ações de incentivo, promoção e divulgação do turismo no Estado, além de representar a coleta de informações de qualidade e confiança para o planejamento de ações; o desenvolvimento adequado de potencialidades turísticas de uma região; a identificação de características e da dimensão de ofertas e iniciativas necessárias ao desenvolvimento sustentável do turismo e a otimização de recursos públicos para evitar a sobreposição de ações.

Em tempos de crise, em função da pandemia da Covid-19, a Secult avalia que as atividades turísticas serão retomadas de forma gradual assim que autorizadas e, para isso, manter os dados do Inventário Turístico é uma ação imprescindível para planejar as formas de impulsionar o setor e incentivar os turistas a conhecerem Minas Gerais ou voltarem a seus locais preferidos no estado.

A superintendente de Políticas do Turismo da Secult, Flávia Ribeiro, explica que o Inventário é o instrumento que permite, também, a análise de pontos fortes e fracos relacionados à atividade turística em todas as regiões de Minas Gerais. “Portanto, mantê-lo atualizado é essencial para que possam ser desenvolvidas medidas mais assertivas de promoção de destinos e até de combate a ameaças ao setor. As informações fornecidas pelos municípios, até então, têm sido muito importantes para continuar o relacionamento com os turistas e serão também fundamentais para pensar as ações pós-pandemia, para que as atividades turísticas ganhem o fôlego necessário para se reestabelecer”, afirmou Flávia.

Guia de informações para turistas
Além de servir de base para todo o planejamento de ações de incentivo e promoção do turismo em Minas Gerais, o material enviado pelos municípios para compor o Inventário Turístico também é uma importante fonte de informação para turistas que procuram, no Portal Minas Gerais, guias sobre infraestrutura, atrativos turísticos e demais referências para viajar pelo estado, já que os dados são disponibilizadas pela plataforma em diversas categorias: interesses, tipos de viagem, municípios, eventos, entre outros. As informações também servem de insumo para o perfil do Instagram @visiteminasgerais

Atualização é necessária para certificação das IGRs
Os Circuitos Turísticos de Minas Gerais estão prestes a ser certificados como Instâncias de Governanças Regionais (IGRs), de acordo com a Resolução Secult 16/2020 e, entre os critérios para a certificação, está a atualização do Inventário Turístico por parte dos municípios que os compõem. Caso isso não seja feito, as entidades que pleiteiam o certificado serão notificadas para as devidas correções. O prazo previsto para encerramento do envio da documentação para análise é 15 de maio de 2020.

Todo município que participa da politica de regionalização em Minas Gerais tem um acesso aos dados cadastrados e pode gerar relatórios que servem de base para as ferramentas de planejamento da atividade como, por exemplo, o Plano Municipal de Turismo, que é um dos itens já necessários para o pleito do ICMS Turismo e que passará também a ser cobrado para participar da política de regionalização.

Fonte: Secult MG

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31