DISTRITO FEDERAL, Brasília - Música e cores permearam a cerimônia da Ordem do Mérito Cultural (OMC), maior honraria pública da cultura, na noite desta quarta-feira (28), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF).

Patrimônio Cultural do Brasil, Complexo Cultural do Boi-Bumbá do Médio Amazonas e Parintins emocionou o público durante a Ordem do Mérito Cultural. Foto: Clara Angeleas (Ascom/MinC)

Em clima de festa, as insígnias foram entregues pelo presidente da República, Michel Temer; além do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão; o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha; e a primeira-dama, Marcela Temer; a 35 personalidades e instituições que se destacaram no cenário cultural, contribuindo para o desenvolvimento do País.

O tema da OMC deste ano, Cultura Gera Futuro, reforçou a economia criativa como vetor fundamental para o desenvolvimento econômico e social do País. Esta visão da cultura norteou a gestão do ministro Sá Leitão e foi o eixo central das políticas, programas e eventos realizados pelo Ministério da Cultura (MinC) em 2017 e 2018. Tanto que o tema da OMC 2017, Cultura Inovação e Empreendedorismo, já seguia esta linha. "As atividades culturais e criativas são vocações da sociedade brasileira e constituem um setor dinâmico da economia e da vida social do País", defendeu.

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão lembrou, durante seu discurso, que a cerimônia homenageia 35 indivíduos ou instituições que, com seu talento, trabalho e realizações, contribuíram para "fazer do Brasil um País melhor". "Esta é uma festa sobre vocês e para vocês, que ingressam ou ascendem na Ordem do Mérito Cultural. Vocês são os protagonistas. Nos sentimos homenageados em poder homenageá-los", afirmou.

O ministro falou ainda sobre a pluralidade dos agraciados, que inclui empreendedores, visionários, criadores e pensadores das mais variadas regiões. "Em resumo, é um grande, imenso brasileiro, que deve servir de referência a todos, sobretudo quando iniciamos a comemoração dos 200 anos da Independência", comentou.

Sérgio Sá Leitão lembrou também que o Ministério da Cultura lidera iniciativas de uma programação em comemoração ao bicentenário da Independência. Entre elas, um edital para publicação de obras sobre o tema e outro para projetos de cinema e TV, além de exposições na Biblioteca Nacional e no Museu Histórico Nacional.

Balanço
Durante a cerimônia, o ministro fez ainda um breve balanço de sua gestão à frente da Pasta, cujos valores centrais foram pautados pela eficiência, eficácia, ética, transparência e impessoalidade, com perfil técnico. Sérgio Sá Leitão citou algumas iniciativas e conquistas, como recorde de valores disponibilizados para o audiovisual, estudos sobre impactos econômicos de atividades e eventos culturais, além da MP 846, que assegurou mais recursos das Loterias Federais para a cultura; e da MP 850, que cria a Agência Brasileira de Museus (Abram).

O presidente Michel Temer abriu mão do discurso e, ao improvisar, elogiou a atuação de Sá Leitão à frente da Pasta. Definiu ainda a cerimônia como um momento de "alegria" e "entusiasmo" e falou sobre a importância da economia criativa. "Economia pauta a conduta do governo. Quando você fala em economia criativa, você fala da intelectualidade das pessoas que podem criar, enaltecer e engrandecer nosso País. Não são poucos os nossos artistas que tem extraordinária presença não apenas no nosso País, mas fora dele", ressaltou o presidente.

Patrimônio Cultural
Ao longo do evento, a Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás brindou o público com as canções "Mas que nada", de Sergio Mendes, um dos 35 condecorados da noite; "Aquarela do Brasil", de Ary Barroso; e "Aquele abraço", de Gilberto Gil. Além disso, apresentações dos bois-bumbás Caprichoso e Garantido ocuparam por alguns momentos o salão principal do Palácio do Planalto e encantaram os presentes.

O Complexo Cultural do Boi-Bumbá do Médio Amazonas e Parintins recebeu o certificado de Patrimônio Cultural do Brasil. A manifestação foi reconhecida no último dia 9 de novembro, durante a reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, que ocorreu em Belém (PA).

Reencontros
Antes da cerimônia, os agraciados almoçaram em um hotel na região central de Brasília e puderam confraternizar. O ministro Sá Leitão esteve no local, onde pode cumprimentar e conversar com os homenageados. Alguns deles até reencontraram conhecidos e amigos, como os produtores Marcelo Castello Branco e Marcio Fraccaroli, que não se viam há 10 anos.

"Éramos cordiais concorrentes", afirma Marcio. "Faz tanto tempo (que não nós vemos) que, na época, ainda usávamos suporte físico quando queríamos assistir a vídeos, em VHS", brinca. Outros dois amigos, o vice-diretor do King's Brazil Institute, Vinícius de Carvalho, e o bailarino Thiago Soares, do Royal Ballet, viajaram de Londres (Inglaterra) para receberem a homenagem da OMC. "Somos amigos e nos conhecemos há quatro anos. Foi uma boa coincidência encontrá-lo aqui", apontou Carvalho.

Agradecimento
Arno Wheling, representando o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), agradeceu o reconhecimento em nome de todos os agraciados. "As instituições das ordens do mérito possuem expressão especial. Carregam em si o simbolismo que reconhece e consagra. A OMC, como as outras ordens da República brasileira, distingue aqueles que contribuem para a preservação e consolidação da cultura nacional, tornando-a uma tradição", afirmou. "Este é um dos momentos em que o Estado mais se aproxima da sociedade. Cada um dos agraciados contribui de sua maneira para resultado, cujo reconhecimento se dá nesse momento", completou.

O comediante Dedé Santana também foi um dos agraciados. "Quando eu recebi este convite, eu nem acreditei. É uma emoção muito grande receber algo assim tão grandioso. Ainda mais em Brasília, eu 'inaugurei' Brasília. Eu vim pra cá três anos antes. Eu fiz uma peça aqui. Eu fiz o primeiro programa de televisão de Brasília. Não tenho nem como expressar a alegria que eu estou, aos meus 83 anos", afirmou.

Para Carlos Saldanha, um dos maiores nomes da animação internacional, a notícia da Ordem do Mérito também veio como uma surpresa. "Para mim, receber a OMC foi uma grande honra. Foi inesperado e fiquei muito honrado, é um grande reconhecimento (do meu trabalho). Espero que isso seja uma motivação para outras pessoas também. É um momento único", disse.

O ator Milton Gonçalves destacou o compromisso com a cultura brasileira. "No meu coração, eu sempre fiz o máximo possível pelo meu País. Eu andei muito pelo mundo, andei pelo Oriente, pela África, às vezes com dinheiro próprio, às vezes representando o Brasil, e sempre fiz o máximo possível por amor ao meu País. E se eu falar mais um pouco, eu vou chorar", disse, bastante emocionado.

Sobre a Ordem do Mérito Cultural
Trata-se da maior honraria concedida no campo da cultura. Mais de 700 pessoas e instituições já foram homenageadas desde a primeira edição, em 1995. A escolha é resultado de um processo rigoroso, que se inicia com indicações feitas por cidadãos e cidadãs. A partir daí, segue-se um processo de seleção que parte de uma Comissão Técnica, passa pelo Conselho da Ordem do Mérito Cultural e chega à Presidência da República.

A Ordem do Mérito Cultural é composta por três classes: Grã-Cruz, Comendador e Cavaleiro. Este ano, integram a classe Grã-Cruz seis agraciados; a classe Comendador tem 12 nomes; a classe Cavaleiro, 7. É possível que a mesma pessoa receba a comenda mais de uma vez, porém em classes diferentes. Os órgãos e entidades públicas e privadas, nacionais e estrangeiras são admitidos na Ordem sem grau de classes – este ano foram dez.

Fonte: MinC

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31