RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Após mais de uma década fotografando o universo das celebridades para as principais revistas do país, festivais de cinema, de moda, réveillon em Copacabana e 10 carnavais na Sapucaí, carioca George Magaraia teve sua vida transformada quando passou a conviver com a comunidade indígena da então Aldeia Marakanã, às vésperas da tentativa de demolição desse espaço para as obras da Copa do Mundo de 2014.

Desde então, seu olhar e sensibilidade abordam a temática indígena em trabalhos já premiados na participação do calendário da “Survival International” de 2016 e em exposições como “No Caminho das Miçangas”, no Museu do Índio; e “Artes Indígenas e Etnodesign: vontade de beleza Karaja”, no Museu Janete Costa de Arte Popular.

Projeto do fotógrafo, que viajou por diversos estados brasileiros para retratar a infância indígena, teve início quando ele passou a conviver com a comunidade indígena da então Aldeia Marakanã.

George também foi responsável por fotografar o acervo etnográfico do Museu do Índio/Unesco, em Botafogo, e viajou pelo Brasil para conviver - e também fotografar - comunidades indígenas. “Através da Aldeia Marakanã fui convidado a conhecer algumas aldeias, primeiro a Barra Velha, de pataxós no sul da Bahia; e posteriormente duas aldeias Guajajaras do Maranhão, a Morro Branco e a Zahy Guajajara. Participei também de um edital do Governo do Estado Amazonas pelo qual pude conhecer e fotografar um comunidade do povo Marubo, a Boa Vista”, ressalta.Parte dessa história será contada através de suas fotos na exposição ‘Vim chorar aqui’, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). O nome é uma homenagem à indígena Adelaide Moraes que em entrevista a BBC afirmou durante manifestação em Brasília: “Vim chorar aqui para o ministro para dar para nós nossas terras, onde papai e mamãe morreram, e eu quero voltar lá".

As fotos retratam a infância indígena e sua forma de se relacionar com o outro e com o ambiente que os cerca. De acordo com dados do IBGE, a população infantil continua sendo maioria entre os indígenas, indicando que a temática permanecerá atual ao longo das próximas décadas.

“Durante toda a minha experiência profissional eu sempre fui pautado. Nas aldeias não existia pauta, deixar meu olhar livre, e naturalmente ele se voltou para as crianças. Ao ponto de que eu definia meu caminho, por onde ir, pelo som das risadas das crianças. A criança vive intensamente, como se fosse o primeiro e último momento da vida”, complementa.

Exposição de fotos “Vim chorar aqui”
Autor: George Magaraia
Apresentação: Vitor Tufani
Curadoria: Marisa Flórido
Abertura: Dia 6 de junho, às 19h
Local: Galeria do Hall COART - UERJ
Centro Cultural da UERJ - Rua São Francisco Xavier, 524 – Maracanã - RJ

Fonte: Jornal do Brasil

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31