RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - O Braille, um sistema natural de leitura para pessoas com deficiência visual, foi criado no século XIX pelo francês Louis Braille.

O sistema elaborado por ele utiliza combinações de seis pontos em relevo, que permitem a representação do alfabeto, números e simbologias científicas, fonética, musicografia e informática, e desde sua criação tem ajudado muita gente a buscar informações, divertir-se com um bom livro e exercer a cidadania através da leitura.

Neste dia 4 de janeiro, é celebrado o Dia Mundial do Braille. Pensando nas pessoas com deficiência visual (cegos e baixa visão), a Subsecretaria da Pessoa com Deficiência (SUBPD) realiza, através do Núcleo de Tecnologia e Inovação (NTI), serviços de reabilitação em braille (orientação na escrita Braille), reabilitação em dosvox e acessibilidade a aplicativos de smartphones, além do serviço de Poet Compact.

Para os atendimentos aos usuários cegos, o pré-requisito é ser alfabetizado e com idade a partir de dez anos de idade. O Núcleo Integrado de Atenção à Família (NIAF) é a porta de entrada da pessoa com deficiência visual e sua família nas unidades da SUBPD. É o setor que acolhe e recepciona o cidadão que busca atendimento nos NTI. Além da responsabilidade desse primeiro atendimento, o núcleo é composto por assistentes sociais, que também são responsáveis pela organização, desenvolvimento e monitoramento de todas as atividades voltadas para as famílias dos usuários da subsecretaria.

Fique por dentro
- Cego é aquela pessoa que apresenta, desde ausência total de visão, até a perda da percepção luminosa.
- É considerada com baixa visão aquela pessoa que apresenta desde a capacidade de perceber luminosidade até o grau em que a deficiência visual interfira ou limite seu desempenho.
- As patologias que levam à deficiência visual incluem, principalmente, alterações das seguintes funções visuais: visão central, visão periférica e sensibilidade aos contrastes.
- Não trate as pessoas cegas como seres diferentes somente porque não podem ver. Saiba que elas estão sempre interessadas no que você gosta de ver, de ler, de ouvir e falar.
- Não generalize aspectos positivos ou negativos de uma pessoa cega que você conheça, estendendo-os a outros cegos.
- Não se dirija a uma pessoa cega chamando-a de "cego" ou "ceguinho". É falta de educação, podendo até expressar um sentimento falso e piegas, ou constituir ofensa.

Fonte: Prefeitura do RJ

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31