RIO GRANDE DO SUL, Porto Alegre - No dia 27 de julho foi inaugurada no Memorial do RS 'Cartas do Fundo do Poço – As correspondências das minas de carvão do Baixo Jacuí (1891 – 1964)'.

Com entrada franca, a exposição segue até o dia 30 de agosto abrindo parte do acervo do Arquivo Histórico do Museu Estadual do Carvão, de Arroio dos Ratos (RS). A mostra conta ainda com obras inéditas do pintor gaúcho Danúbio Gonçalves, que retratam o cotidiano dos trabalhadores nas minas de carvão.

As cartas reconstituem aspectos importantes da relação entre empresas, trabalhadores e o espaço da mineração daquela região. São painéis e uma seleção de correspondências originais, entre 1891 e1964, das companhias exploradoras do minério, onde aparecem temas como as relações de trabalho, as técnicas de mineração utilizadas em distintos momentos, a extração de carvão em períodos de esforço de guerra, a imigração, as ações sociais das empresas carboníferas, além de escritas em códigos para não serem interceptadas. São correspondências marcantes do período ápice da mineração no Rio Grande do Sul, que trazem a tona parte de uma história pouco desbravada do estado.

A exposição tem produção da ONG Arquivistas Sem Fronteiras do Brasil e da Surya Projetos, com apoio institucional do Memorial do Rio Grande do Sul e financiamento do Pró-cultura e do Governo do Estado. A entrada é franca.

Exposição vai até 30 de agosto, mostrando parte de uma história pouco desbravada do RS

Histórico
A extração de carvão na chamada Bacia do Rio Jacuí teve início nos últimos anos do século XIX, mas foram nas décadas de 1920-1940 que a região recebeu o maior número de trabalhadores e empreendimentos no setor. A árdua rotina da mineração alavancou a formação de vários povoamentos que, mais tarde, comporiam pelo menos cinco cidades ao longo do Jacuí. O carvão extraído nas minas da região alimentou as caldeiras de locomotivas e as usinas de energia elétrica ao sul do Brasil, chegando a ser item raro e de importância estratégica durante o período da Segunda Guerra – quando os países europeus em conflito suspenderam a exportação do produto.

A atividade mineradora desenvolvida por empresas e trabalhadores produziu um mundo peculiar, marcado pela expectativa de progresso, por estruturas urbanas inteiramente voltadas para a mineração e por relações de trabalho nem sempre pacíficas. Das minas de Arroio dos Ratos e Butiá surgiriam algumas das primeiras grandes greves da região e os primeiros movimentos de repressão e apaziguamento da mão de obra.

Serviço
Exposição 'Cartas do Fundo do Poço – As correspondências das minas de carvão do Baixo Jacuí (1891-1964)'
Onde: Sala Múltiplos Usos do Memorial do Rio Grande do Sul – Praça da Alfândega, Centro Histórico – Porto Alegre
Quando: de 27 de julho a 30 de agosto de 2017
Horários: de terça a sábado, das 10h às 18h e domingos, das 13h às 17h
Entrada Franca

Fonte: SEC RS

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31