18 Maio 2021 - Dia Internacional dos Museus

Antonio Grassi [1] 

Quando ouço as pessoas falando que a pandemia de Covid-19 forçou as instituições culturais a se reinventarem, sinto, em alguns momentos, que a afirmação soa como se a situação tenha sido apenas positiva, o que é um risco enorme. Os “benefícios” que possam ter vindo da pandemia para as instituições foram muito mais da forma “manual de sobrevivência” do que propriamente vantagens. O ponto é: não podemos romantizar a questão. Por exemplo, não se pode negar que o período da ditadura estimulou inspirações para a produção artística, mas de forma nenhuma sepode dizer que tenha sido positivo para o país.

Antonio Grassi, diretor-presidente do Instituto Inhotim, MGAntonio Grassi, diretor-presidente do Instituto Inhotim, MG

Como acontece em toda situação de contradição em que a gente se vê afundado, somos obrigados a procurar soluções. A grande questão, neste momento, é saber como se faz para achar esse manual de sobrevivência.

Ao longo do último ano, as instituições culturais se viram obrigadas e descobrir formatos que já vinham utilizando, mas pouco valorizavam. O desafio de entidades como o Instituto Inhotim, além de outros museus, teatros e cinemas, é descobrir de que maneira podemos nos manter abertos mesmo estando fechados. Uma saída tem sido investir em programação cultural e visitas em formatos digitais. A impossibilidade de estabelecermos interações presenciais com os visitantes nos faz pensar de que maneiras essas visitas podem ser instigantes e em como fazer essas conexões. É claro que essas novas formas de interação não substituem as relações presencias. Mas são maneiras válidas que permitem outras formas de imaginar o mundo.

Outro ponto é que nós, enquanto centro de arte, nos vimos na obrigação solidária de amparar artistas que foram totalmente impedidos de trabalhar em virtude do cenário. É uma responsabilidade, um compromisso com a produção artística contribuir para sua sobrevivência de maneira geral, buscando alternativas para manter essa rede.

Na esfera governamental, a Lei Aldir Blanc também é um instrumentoque vem nesse caminho. É fundamental que haja mecanismos de fazer com que elapersevere, até porque artistas continuam sobrevivendo nesta quarentena graças a essa produção cultural, cujo estímulo é papel do Estado também.

Hoje em dia, as pessoas valorizam cada vez mais a produção cultural porque dependem dela – sejam os artistas, seja o público –,e a quarentena mostrou isso. Ao mesmo tempo, precisam ter ciência de que a produção cultural não vai sobreviver se não tiver alguma forma de fomento.

O sentimento que me bate às vezes é de que as pessoas consomem essa produção cultural 24 horas por dia,mas incrivelmente não têm muita consciência de que essa produção cultural depende delas para sobreviver.

A área da Cultura foi a primeira a entrar em quarentena e será a última a sair, por isso temos que continuar trabalhando para que, quando isso tudo passar, o setor volte até mais revigorado para ter as possibilidades presenciais de que precisamos.

Certamente é muito difícil falar sobre o contexto em que vivemos sem mencionar a situação política instável em que o país se encontra – resistente ao reconhecimento da arte e da cultura como ferramentas de transformação social –, nos colocando no que avalio como uma “dupla pandemia”.

Historicamente enfrentamos situações de desespero sabendo que algo lá na frente vai mudar.Hoje a situação está tão catastrófica que estamos inseguros, nos questionando até mesmo se realmente alguma coisa vai mudar. O que temos que fazer é nos fortalecer e, novamente friso, sem romantizar o contexto com base no nosso histórico de resiliência. 


[1] diretor-presidente do Instituto Inhotim.


Entre em contato conosco!

Envie seus comentários, críticas e elogios sobre esse artigo para o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. .

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30