SÃO PAULO, São Paulo - A suspensão da nomeação da arquiteta Luciana Rocha Féres, um dia após publicação no Diário Oficial da União de que ela assumiria a presidência do Iphan, expõe um racha entre o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e o recém-nomeado secretário da Cultura, Roberto Alvim.

Segundo servidores do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a nomeação de Féres foi bem avaliada dentro do órgão. Ela tem currículo que, eles julgam, a capacitava para a presidência.

A arquiteta e urbanista é professora e consultora na área de patrimônio cultural, e está fazendo seu doutorado em ambiente construído e patrimônio sustentável na Universidade Federal de Minas Gerais.

Também foi diretora do Conjunto Moderno da Pampulha, em Belo Horizonte, de 2013 a 2016, e gerente de cultura do Sesc Minas Gerais.

Alvim tem proposto nomeações polêmicas, como a do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, que deu declarações consideradas racistas pelo movimento negro. Também escolheu para a Funarte, a Fundação Nacional de Artes, o nome do músico Dante Mantovani, que já afirmou que o fascismo é de esquerda, disse que fake news é um conceito globalista para impor a vontade da imprensa e chama a Unesco de "máquina de propaganda em favor da pedofilia".

O nome que seria o favorito de Alvim para a presidência do Iphan é de Olav Schrader, formado em relações internacionais e ligado à Associação de Moradores de São Cristóvão, no Rio de Janeiro. Há menções a seu nome em eventos pró-monarquia no país.

Fonte: Gustavo Fioratti/FolhaPress e JB

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30