DISTRITO FEDERAL, Brasília - Com os museus fechados devido às ações de combate ao COVID 19, os espaços digitais tornaram-se importantes ferramentas para manter vivas as exposições e os espaços de debate e construção de conhecimento coletivo sobre arte.


Fonte: http://www.acervocal.unb.br/

Pensando nisso, a Casa Niemeyer, espaço de arte contemporânea da Universidade de Brasília – UnB, lançou nesta semana uma série de atividades digitais para, em sintonia com museus de todo o mundo, desenvolver ações educativas associadas à sua atual exposição "Triangular: arte deste século".

Ao propor o projeto Casa Niemeyer Digital – Ações Educativas, busca-se a difusão da pesquisa sobre artes visuais e humanidades desenvolvida na UnB. Para além disso, o projeto apresenta ainda caráter formador para a equipe de estudantes de Teoria, Crítica e História da Arte envolvida. Uma das principais facetas das ações propostas é a interação, com o objetivo de gerar aproximação entre artistas, pesquisadores, estudantes e o público em geral promovendo debates atuais e acessíveis.

Para promover essa aproximação, e ainda tornar o espaço digital um lugar de criação autônomo em relação ao espaço físico, uma das principais ações da Casa Niemeyer Digital é a #OcupaçãoTriangular. Semanalmente um dos/as artistas da mostra Triangular ocupa o Instagram da Casa Niemeyer por 24h. Durante a ocupação, artistas vêm trazendo questões atuais para arte contemporânea, apresentando seus trabalhos e de outros/as artistas e interagindo com o público. Já foram realizadas 10 ocupações, todas ainda disponíveis no Instagram da Casa Niemeyer (https://www.instagram.com/casaniemeyer/).

Outro foco de produção são as ações propriamente educativas, em vídeos curtos, artistas, pesquisadores e acadêmicos respondem perguntas do público da Casa sobre arte, curadoria, coleções e museus. Trata-se de uma forma da Casa conhecer melhor as necessidades daqueles que gostam ou têm curiosidade sobre arte contemporânea. Outras ações educativas são pautadas na produção de textos críticos e reflexivos sobre as obras que fazem parte da exposição Triangular. O educativo também propõe atividades para crianças, uma ótima forma de entreter os pequenos durante o período de isolamento. A equipe da Casa Niemeyer também está trabalhando na ativação de ações de acessibilidade e inclusão, com a produção de conteúdos em libras e audiodescrições.

Uma das curadoras da mostra Triangular e professora da UnB, Ana Avelar, destaca que essas são apenas as primeiras ações, a expectativa é de que novas propostas surjam durante o processo. "Por ser um museu universitário, a Casa Niemeyer é um espaço laboratório, que possibilita que os alunos e alunas da universidade e a comunidade criem e experimentem novas alternativas. Todos os museus do mundo estão passando por esse desafio de repensar os seus espaços digitais, por isso, é importante que alunos e alunas, profissionais em formação, também tenham oportunidade de pensar, atuar e produzir a partir dos novos desafios". Gisele Lima, co-curadora, também comenta: "Além da adequação a essa nova realidade que estamos vivendo as iniciativas e atividades online permitem que a mostra e o projeto como um todo tenha proporções e alcances ainda maiores. Uma vez que não existe a limitação espacial ou de deslocamento para que o público tenha acesso ao seu conteúdo, que agora, pode ser acessado de qualquer estado ou país".

Exposição Triangular: arte deste século
Aberta em dezembro, na Casa Niemeyer, a mostra "Triangular: arte deste século – Aquisições recentes para o acervo da Casa da Cultura da América Latina da Universidade de Brasília", com curadoria da Ana Avelar e Gisele Lima, reúne obras de mais de 100 artistas de todo o país e celebra as novas aquisições de arte contemporânea da UnB. Nomes importantes da arte contemporânea no Brasil como Barbara Wagner (DF/PE), Gê Orthof e Ralph Gehre (DF), Bené Fonteles (PA), Guerreiro do Divino Amor (RJ), Lenora de Barros (SP), Delson Uchôa (AL), Denilson Baniwa (RJ), Jaider Esbell (RR), Dalton Paula e Grupo Empreza (GO), além de novas obras de Paulo Nazareth (MG) e Thiago Martins de Mello (MA), estão ao lado de jovens talentos de Brasília, como Cecilia Lima, João Trevisan, Rômulo Barros e Fernanda Azou.

Prevista para durar até agosto de 2020, a Triangular teria novas aberturas durante o ano, com a apresentação de novas obras doadas para a UnB. Essas aberturas agora serão realizadas digitalmente, a programação será divulgada em breve e contará com a participação de artistas, a promoção de debates e a apresentação das mais recentes aquisições da coleção Triangular.

Parcerias e interdisciplinaridade
Para otimizar as ações digitais, a equipe da Casa Niemeyer iniciou parceria com o Laboratório de Inteligência de Redes da Faculdade de Ciência da Informação da UnB, que desenvolve projetos de pesquisa e inovação em áreas ligadas a informações culturais e científicas, acervos digitais em rede e redes sociais. O laboratório é responsável pelo projeto Tainacan, software livre para gestão de acervos digitais baseado em WordPress e fomento a redes de instituições de memória na difusão, digitalização e organização de acervos digitais em rede.

O acervo da Casa da Cultura da América Latina da Universidade de Brasília – Cal/UnB, disponibilizado no ano passado virtualmente, em http://www.acervocal.unb.br/, utiliza a tecnologia do projeto Tainacan. No acervo digital é possível acessar as coleções da CAL/UnB, incluindo parte das obras que fazem parte da exposição Triangular. Além de imagens, o site traz informações gerais sobre obras e artistas.

As ações da Casa Niemeyer Digital podem ser acompanhadas pelo Instagram - @casaniemeyer, pelo Facebook - @unb.casaniemeyer e pelo Twitter - @CasaNiemeyer.


Foto: Priscila Olegário @piu _ole (divulgação)

Serviço
Casa Niemeyer Digital
Instagram: @casaniemeyer
Twitter: @CasaNiemeyer
Facebook: www.facebook.com/unb.casaniemeyer/

Acervo Online: http://www.acervocal.unb.br/

Fonte: divulgação por e-mail

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31