RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Programação reúne 22 filmes, entre longas, médias e curtas-metragens, incluindo cópias restauradas em exibição pela primeira vez no país, além de debates


Filme 'Fad’jal' (Foto: divulgação/CAIXA Rio)

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro recebe, de 19 de novembro a 1º de dezembro de 2019 (terça-feira a domingo), a mostra Clássicos africanos - A primeira geração de cineastas na África do Oeste. Com curadoria de Tiago Castro Gomes, a programação reúne 22 filmes, entre longas, médias e curtas-metragens, incluindo cópias restauradas em exibição pela primeira vez no país, além de mesas de debate com especialistas. O projeto tem patrocínio da CAIXA e do Governo Federal.

"O mote é abordar os cinemas africanos do ponto de vista dos cineastas pioneiros", explica o curador da mostra, Tiago Castro Gomes. "Os realizadores escolhidos foram fundamentais para as cinematografias de seus respectivos países e trouxeram luz para a produção do continente em geral. Havia um intenso diálogo entre vários deles durante o despertar das cinematografias africanas, nas décadas de 1960 e 1970, após a descolonização."

Castro fala de filmes como A mulher com uma faca (1969), de Bassori Timité, um dos primeiros longas-metragens da Costa do Marfim. Restaurado este ano, o filme será exibido na abertura da mostra (confira a programação completa abaixo). "A restauração foi feita a partir dos negativos de imagem e som originais em 35 mm e supervisionada pelo próprio diretor. Será a primeira exibição dessa versão no Brasil", conta.

Outros destaques são Carta camponesa (1975), de Safi Faye, considerado o primeiro longa-metragem feito por uma mulher da África subsaariana e distribuído comercialmente no mercado internacional, e Muna Moto (1975), primeiro longa-metragem do diretor Jean Pierre Dikongué, de Camarões, que também acaba de ser restaurado.

Obras que lidam com questões do seu tempo
Castro destaca que os espectadores não familiarizados com os cineastas africanos poderão encontrar obras que "lidam com as questões do seu tempo, quando as ex-colônias africanas lidavam com a descolonização". Segundo ele, são documentários e filmes de ficção que abordam as mudanças, as esperanças e as contradições de um conjunto de países e povos. "Esteticamente, trazem a marca das músicas africanas, da tradição oral, do neocolonialismo, da pluralidade de culturas e povos em um mesmo Estado-nação."

A mostra é uma realização da Insensatez Audiovisual e Luzes da Cidade – Grupo de Cinéfilos e Produtores Culturais. A programação completa está disponível no site www.classicosafricanos.com.br.


Filme 'Parlons grand-mère' (Foto: divulgação/CAIXA Rio)

Programação
19 de novembro (terça-feira)
19h - A mulher com uma faca (La femme au couteau, 1969), de Bassori Timité, Costa do Marfim, 80 min, 14 anos

20 de novembro (quarta-feira)
17h - Sessão de curtas 1: África sobre o Sena (Afrique sur Seine, 1955), de Paulin Soumanou Vieyra, França/Senegal, 21 min, Livre; O carroceiro (Borom Sarret, 1963), de Ousmane Sembène, Senegal, 21 min, 10 anos; Contra's city (1968), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 22 min, Livre; Lamb (1963), de Paulin Soumanou Vieyra, Senegal, 27 min, 10 anos
19h - Emitai (1971), de Ousmane Sembène, Senegal, 96 min, 14 anos

21 de novembro (quinta-feira)
17h - Touki bouki – A viagem da hiena (Touki bouki, 1973), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 95 min, 16 anos

22 de novembro (sexta-feira)
17h - Ó, Sol (Soleil O, 1967), de Med Hondo, França/Mauritânia, 98 min, 14 anos
19h - A negra de... (La noire de..., 1966), de Ousmane Sembène, França/Senegal, 56 min, 14 anos

23 de novembro (sábado)
15h - Touki bouki – A viagem da hiena (Touki bouki, 1973), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 95 min, 16 anos
17h - Sessão de curtas 2: Cantores tradicionais das Ilhas Seicheles (Chanteurs traditionnels des Îles Seychelles, 1978), de Souleymane Cissé, Mali, 15 min, Livre; O anel do Rei Koda (La bague du Roi Koda, 1962), de Moustapha Alassane, Níger, 24 min, Livre; Le Wazzou polygame (1970), de Oumarou Ganda, Níger, 38 min, 14 anos
19h - Sessão de curtas 3: Môl (1966), de Paulin Soumanou Vieyra, Senegal, 27 min, Livre; Badou boy (1968), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 56 min, 10 anos

24 de novembro (domingo)
15h - Sessão de curtas 4: Fontes de inspiração (Sources d'inspiration, 1968), de Souleymane Cissé, Mali, 7 min, Livre; Nos bastidores (L'envers du décor, 1981), de Paulin Soumanou Vieyra, Senegal, 26 min, 10 anos; Parlons grand-mère (1989), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 34 min, 10 anos
17h - A garota (Den muso, 1975), de Souleymane Cissé, Mali, 88 min, 16 anos
19h - Mandabi (1968), de Ousmane Sembène, Senegal, 86 min, 12 anos

26 de novembro (terça-feira)
17h - Mandabi (1968), de Ousmane Sembène, Senegal, 86 min, 12 ano
19h - Muna Moto (1975), de Jean-Pierre Dikongué Pipa, Camarões, 85 min, 12 anos

27 de novembro (quarta-feira)
16h30 - Fad'jal (1979), de Safi Faye, França/Senegal, 112 min, 10 anos
19h - Sessão de curtas 2: Cantores tradicionais das Ilhas Seicheles (Chanteurs traditionnels des Îles Seychelles, 1978), de Souleymane Cissé, Mali, 15 min, Livre; O anel do Rei Koda (La bague du Roi Koda, 1962), de Moustapha Alassane, Níger, 24 min, Livre; Le Wazzou polygame (1970), de Oumarou Ganda, Níger, 38 min, 14 anos

28 de novembro (quinta-feira)
17h - A garota (Den Muso, 1975), de Souleymane Cissé, Mali, 88 min, 16 anos
19h - A mulher com uma faca (La femme au couteau), 1969, de Bassori Timité, Costa do Marfim, 80 min, 14 anos

29 de novembro (sexta-feira)
15h - Sessão de curtas 3: Môl (1966), de Paulin Soumanou Vieyra, Senegal, 27 min, Livre; Badou boy (1968), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 56 min, 10 anos
17h - Sessão de curtas 4: Fontes de inspiração (Sources d'inspiration, 1968), de Souleymane Cissé, Mali, 7 min, Livre; Nos bastidores (L'envers du décor, 1981), de Paulin Soumanou Vieyra, Senegal, 26 min, 10 anos; Parlons grand-mère (1989), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 34 min, 10 anos
19h - Carta camponesa (Lettre paysanne, 1973), de Safi Faye, França/Senegal, 98 min, 14 anos

30 de novembro (sábado)
14h30 - Sessão de curtas 1: África sobre o Sena (Afrique sur Seine, 1955), de Paulin Soumanou Vieyra, França/Senegal, 21 min, Livre; Contra's city (1968), de Djibril Diop Mambéty, Senegal, 22 min, Livre; O carroceiro (Borom Sarret, 1963), de Ousmane Sembène, Senegal, 21 min, 10 anos; Lamb (1963), de Paulin Soumanou Vieyra, Senegal, 27 min, 10 anos
16h30 - Fad'jal (1979), de Safi Faye, França/Senegal, 112 min, 10 anos
19h - Ó, Sol (Soleil O, 1967), de Med Hondo, França/Mauritânia, 98 min, 14 anos

1º de dezembro (domingo)
15h - Carta camponesa (Lettre paysanne, 1973), de Safi Faye, França/Senegal, 98 min, 14 anos
17h - Emitai (1971), de Ousmane Sembène, Senegal, 96 min, 14 anos
19h - Muna Moto (1975), de Jean-Pierre Dikongué Pipa, Camarões, 85 min, 12 anos

Serviço
Mostra Clássicos africanos - A primeira geração de cineastas na África do Oeste
Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro - Cinema 2 (Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro - Metrô e VLT: Estação Carioca)
Data: de 19 de novembro a 1º de dezembro de 2019 (terça-feira a domingo)
Horários: Consultar programação
Informações: (21) 3980-3815
Ingressos: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia
Bilheteria: terça-feira a domingo, das 13h às 20h
Duração: Consultar programação
Classificação Indicativa: Consultar programação
Capacidade: Cinema 2 - 80 lugares (mais 3 para cadeirantes)
Acesso para pessoas com deficiência
Patrocínio: CAIXA e Governo Federal

Fonte: divulgação por e-mail

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31