PARANÁ, Curitiba - Por sua abrangência e variedade, a exposição 'Bancos Indígenas do Brasil' toca em uma ampla variedade de temas, revelando pontos de conexão entre a arte indígena [LA1] e mostrando ao público a potência criativa e o apuro estético dos povos tradicionais.

Foto: divulgação

Exposição já passou por São Paulo e Tóquio
A Exposição já passou pelo Pavilhão Japonês no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, e pelo Museu de Arte Teien, em Tóquio. Em São Paulo, a expografia foi assinada por Eiji Hayakawa e Claudia Moreira Salles, enquanto em Tóquio foi assinada por Toyo Ito. Nas duas cidades, a exposição recebeu cerca de 60 mil visitantes.

Ficha Técnica
Exposição Bancos Indígenas do Brasil
Direção: Julíanna Podolan Martims
Curadoria/Expografia: Ana Itália Paraná Mariano e Ana Silvia Paraná Mariano Kerin
Coordenação: Samantha Donner Rothert
Montagem/Iluminação: Artur William Pereira
Projeto gráfico: Yumi Saneshigue
Vídeo: Estúdio Rafael Costa

Serviço
EXPOSIÇÃO BANCOS INDIGENAS DO BRASIL
13 de novembro a 11 de fevereiro
Horário Visitação: Segunda à Sexta, das 10h às 17:30h
Entrada Gratuita
Local: Museu de Arte Indígena - MAI
Endereço: Av. Água Verde, 1413 - Água Verde, Curitiba – PR
Telefone: 41 3121-2395
Informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Agendamentos: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Sobre a Coleção BEI
A coleção BEI de bancos indígenas abrange mais de 500 peças oriundas de povos de diferentes regiões: Alto e Baixo Xingu, sul da Amazônia/Centro-Oeste, norte do Pará e Guianas e noroeste amazônico. Os bancos aliam funcionalidade e beleza; ao mesmo tempo que são reconhecidos como objetos de arte e design, preservam sua dimensão religiosa e simbólica: esculpidos em madeira, muitas vezes em formatos de animais, decorados com grafismos ou coloridos com pigmentos diversos, eles espelham o universo cultural e a cosmologia das etnias que os criam.

Por sua extensão e importância, a Coleção BEI é hoje uma referência em arte indígena brasileira. Seus bancos vêm sendo expostos em instituições do Brasil e do mundo, contribuindo para abrir novos horizontes de reflexão sobre as complexas inter-relações entre as artes tradicionais e a cultura contemporânea.
www.colecaobei.com.br

Sobre o Museu de Arte Indígena - MAI
O Museu de Arte Indígena - MAI foi inaugurado em Curitiba no dia 16/11/2016 no bairro Água Verde, em Curitiba, no Paraná. É o primeiro museu particular do Brasil dedicado exclusivamente à produção artística dos indígenas brasileiros, e conta com um dos maiores acervos do mundo nesta área. São cerca de mil peças no acervo divididas entre arte plumária, cerâmica, cestas, instrumentos musicais, máscaras ritualísticas e objetos utilitários.

O MAI nasceu em Clevelândia (PR), em 2009, com o objetivo de resgatar e preservar a cultura indígena brasileira. A qualidade de seu acervo e os cuidados constantes na manutenção e conservação das peças permite aos visitantes uma verdadeira imersão cultural. O MAI é fruto de vinte e um anos de trabalho de Julianna Podolan Martins em expedições às mais diversas etnias e contempla a diversidade cultural dos principais povos indígenas do território nacional.

Com curadoria de Ana Itália Paraná Mariano, o museu detalha a origem das peças e as tradições culturais das mais diversas etnias. Um amplo espaço de eventos reproduz a arquitetura e atmosfera de uma oca. Todas as áreas do MAI foram projetadas para receber cada uma das categorias do acervo. O espaço foi construído com a mais recente tecnologia de climatização, para assegurar temperatura e umidade do ar necessárias para conservar os objetos, muitos raros e delicados.
www.maimuseu.com.br.

Fonte: divulgação por e-mail

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31