DISTRITO FEDERAL, Brasília - Uma grande virada em direção ao futuro. Assim pode ser considerada esta nova etapa do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para reconhecimento às iniciativas de preservação, valorização e salvaguarda do Patrimônio Cultural Brasileiro.

Como parte das comemorações dos 80 anos do Instituto, em janeiro de 2017, a cerimônia de premiação deixará Brasília e, neste ano, será realizada no Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), no dia 20 de outubro, com entrada gratuita.

A nova proposta é promover a itinerância da premiação. A presidente do Iphan, Kátia Bogéa, explica que isso faz com que todos os estados da Federação se sintam contemplados e possam, realmente, participar da homenagem a esses agentes quase desconhecidos, mas que dedicam praticamente toda a sua vida à valorização do Patrimônio Cultural Brasileiro. "Além disso, marca essa nova fase de atuação do Iphan, de consolidação do conceito de Patrimônio Cultural, visando a integração entre a memória, a modernidade, a sustentabilidade e o empreendedorismo, sempre por meio de parcerias firmes com a sociedade civil, com empresários e com os governos estaduais e municipais", afirma.

Este ano, a premiação faz uma alusão ao Samba de Roda do Recôncavo Baiano, Patrimônio Cultural do Brasil e da Humanidade. Com esse tema, no dia 20 de outubro, a partir das 19h, os vencedores da 29ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade estarão reunidos na cerimônia de premiação, na qual serão homenageados por baianas e capoeiristas, representantes dos detentores dos bens culturais registrados na Bahia: o Ofício das Baianas de Acarajé; a Roda de Capoeira e Ofício dos Mestres de Capoeira; além, é claro, do Samba de Roda do Recôncavo Baiano. A festa termina com show da cantora potiguar Roberta Sá. A entrada é gratuita.

Premiados de sete estados
Criada no ano de 1987, em homenagem ao primeiro presidente do Iphan, a premiação tem como objetivo reconhecer iniciativas desenvolvidas por pessoas e instituições públicas ou privadas que mantenham vivo o patrimônio e suas mais diversas formas de expressão. Este ano, os oito premiados vêm de sete estados: Maranhão, Minas Gerais, Sergipe, São Paulo, Bahia, Pará e Rio Grande do Sul.

As ações foram selecionadas em julho, pela Comissão Nacional de Avaliação, entre as 220 inscritas em todo o país. Durante a cerimônia de premiação, o público poderá conhecer os projetos vencedores que fortalecem relações de identidade e preservação da memória social do Brasil. São eles:

Categoria I - iniciativas de excelência em técnicas de preservação e salvaguarda do Patrimônio:

Ação: XXII Festival de Bumba Meu Boi de Zabumba do Maranhão
O Festival visa a preservação da tradição das brincadeiras do Bumba-Meu-Boi de Zabumba e Tambor de Crioula, mantendo e resgatando suas características, saberes e técnicas originais, como comédia, personagens, toque, indumentárias, instrumentos, cantos e danças.
Proponente: Clube Cultural de Bumba-Meu-Boi de Zabumba e Tambor de Criola do Maranhão
Estado: Maranhão

Ação: Som dos Sinos
Iniciativa pioneira no Brasil, contribui para a salvaguarda e a promoção do Toque dos Sinos e do Ofício de Sineiro com novas mídias e tecnologias. Visa a sensibilização e o envolvimento das comunidades locais e do público nacional e internacional na apreciação e apropriação dessas expressões como patrimônio cultural imaterial.
Proponente: Marina Thomé
Estado: Minas Gerais

Ação: Mestres do Fogo
O objetivo desta ação é desenvolver uma pesquisa para a publicação de catálogo e montar uma exposição sobre o ofício de barqueiros e fogueteiros que mantêm a tradição do barco de fogo na cidade de Estância, visando contribuir para sua preservação e para seu reconhecimento como bem cultural.
Proponente: Sayonara Viana Silva
Estado: Sergipe

Ação: Memória do Circo
O projeto colabora com o desenvolvimento do circo no Brasil, colocando-o em lugar de destaque da cultura brasileira, realizando ações voltadas para a salvaguarda e a difusão de seu patrimônio cultural.
Proponente: Verônica Tamaoki
Estado: São Paulo
 
Categoria II - iniciativas de excelência em promoção e gestão compartilhada do Patrimônio:

Ação: Identidade e Memória do Povo do Mar
A ação busca ampliar o processo de valorização, resgate e salvaguarda das manifestações culturais da Ilha de Matarandiba e dar continuidade ao trabalho de fortalecimento das tradições culturais da comunidade.
Proponente: Associação Sociocultural de Matarandiba
Estado: Bahia

Ação: Roteiros Geoturisticos – Conhecendo o Centro Histórico de Belém
Este é um projeto de extensão desenvolvido na Faculdade de Geografia e Cartografia da Universidade Federal do Pará (UFPA), que visa valorizar a memória socioespacial e patrimonial material e imaterial de Belém.
Proponente: Maria Goretti da Costa Tavares
Estado: Pará

Ação: Pescando Memórias
Promover a preservação das comunidades tradicionais ribeirinhas por meio solidário e criativo, priorizando os jovens ribeirinhos, é a proposta deste projeto.
Proponente: Isabela Bispo dos Santos Santana
Estado: Sergipe

Ação: Dia do Patrimônio
Celebrar o patrimônio do povo pelotense é o intuito desta ação, que, desde sua primeira edição em 2013, visa promover o patrimônio cultural e enfatizar seu conceito como política pública de cultura.
Proponente: Secretaria Municipal de Cultura de Pelotas
Estado: Rio Grande do Sul

O Samba de Roda do Recôncavo Baiano
Inscrito no Livro de Registro das Formas de Expressão, em 2004, como Patrimônio Cultural do Brasil, e reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio da Humanidade, em 2005, esta é uma forma de expressão musical, coreográfica e festiva de matriz africana, mesclada aos traços culturais trazidos pelos portugueses, principalmente pelo uso da viola e do pandeiro e da própria língua portuguesa nos elementos de suas formas poéticas. Seus primeiros registros, com esse nome e com as características que ainda hoje o identificam, datam da década de 1860.

O Samba de Roda do Recôncavo Baiano está presente em todo o estado da Bahia e é especialmente forte e mais conhecido na região do Recôncavo, a faixa de terra que se estende em torno da Baía de Todos os Santos. Pode ser realizado em associação com o calendário festivo – caso das festas da Boa Morte, em Cachoeira, em agosto; de São Cosme e Damião, em setembro; e de sambas ao final de rituais para caboclos em terreiros de candomblé. Contudo, o prazer de sambar pode se dar a qualquer momento.

Rodrigo Melo Franco de Andrade
O advogado, jornalista e escritor Rodrigo Melo Franco de Andrade nasceu em 17 de agosto de 1898, em Belo Horizonte. Foi redator-chefe e diretor da Revista do Brasil e, na política, foi chefe de gabinete do ministro da Justiça Francisco Campos, atuando na equipe que integrou o Ministério da Educação e Saúde do governo Getúlio Vargas. O grupo era formado por intelectuais e artistas herdeiros dos ideais da Semana de 1922. Rodrigo Melo Franco de Andrade comandou o Iphan desde sua fundação, em 1937, até 1967.

Serviço
Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade
Cerimônia de Premiação
Data: 20 de outubro de 2016, às 19h
Local: Teatro Castro Alves
Endereço: Praça Dr. Mario Macedo Costa, s/n, Campo Grande, Salvador (BA)

Fonte: Iphan/MinC

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31