`SÃO PAULO, São Paulo - No dia 25 de janeiro, às 15h, o Museu Paulista promove a oficina “Descobertas no Parque”. O encontro irá trabalhar as percepções dos participantes durante um percurso especial pelo Parque da Independência.

Voltada para pessoas de diferentes faixas etárias, a atividade irá trabalhar com elementos que aguçam a percepção por meio dos sentidos. O ponto de encontro será em frente ao Museu Paulista.

Museu Paulista

Parque da Independência, s/n.º - Ipiranga CEP 04263-000 São Paulo.

Inscrição Prévia Obrigatória

Informações pelo telefone (11) 2065-8055.

http://www.eventos.usp.br 

 

Fonte: USP

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 25/01/2016 - 8 visitas até 11:47h)

MINAS GERAIS, Belo Horizonte -  Os participantes da oficina Encontro no Museu, que ocorrerá de 2 a 4 de fevereiro, visitarão o circuito de museus de Belo Horizonte e contarão com espaço coletivo para criação de pinturas, esculturas, desenhos e outras obras. No último dia, será montada uma exposição. 

O professor Gabriel Cândido Carneiro, que ministrará a oficina, explica que “as visitas durante os dois primeiros dias servirão de inspiração para a concepção do tema que norteará a criação das obras”. 

Gabriel Carneiro é graduando em Museologia na UFMG e atua em projetos de curadoria, expografia e acessibilidade para exposições e para museus. Tem experiência na realização de exposições de arte contemporânea.

Vagas: 20 

Carga horária: 18 horas 

Período: 2 a 4 de fevereiro 

Horário: 10h às 12h e 14h às 17h (terça e quarta-feira) e 10h às 12h e 14h às 20h (quinta-feira) 

Classificação etária: a partir de 16 anos 

Local: Espaço do Conhecimento UFMG – 2º andar – sala de oficinas

 

Fonte: UFMG

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 25/01/2016 - 9 visitas até 11:49h)

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - O Cordão da Bola Preta, o mais tradicional bloco de carnaval de rua do Rio de Janeiro, fundado em 1918, coroou hoje (24) sua rainha, a funkeira Ludmilla, abrindo a folia deste ano, em festa lotada de foliões animados.

O presidente do bloco, Pedro Ernesto Marinho, disse que no desfile oficial da agremiação, programado para o dia 6 de fevereiro, pretende arrastar mais de 2 milhões de pessoas, que percorrerão, a partir das 9h, a Rua Primeiro de Março e a Avenida Presidente Antônio Carlos, no centro da cidade.

Ele disse que o Bola não sofreu os efeitos da crise econômica “porque se preveniu, se planejou, para superar esses momentos de dificuldade, até porque a nossa responsabilidade é muito grande com aqueles 2 milhões de foliões. A gente não pode decepcioná-los; a gente deu uma cambalhota e vamos em frente”. Marinho acredita que a escolha de Ludmilla para rainha do carnaval 2016 da agremiação vai aumentar o número de seguidores no desfile. “Não tenho dúvida nenhuma, principalmente de jovens”.

O Cordão da Bola Preta, segundo seu presidente, busca exatamente a renovação para perpetuar a agremiação. “Acho que a presença da Ludmilla vai ser fundamental nessa caminhada”. Frequentadora dos desfiles do Cordão da Bola Preta desde criança, quando era levada para participar do bloco por sua avó Lucy, Ludmilla foi escolhida exatamente por ter raízes na agremiação, informou Pedro Ernesto Marinho. Ele lembrou é uma característica do Bola ter várias gerações em suas fileiras. “Do avô até o neto. É por isso que o Bola vai se perpetuando”.

Ludmilla disse se sentir muito feliz e lisonjeada por ter sido escolhida rainha. “Para mim, foi uma felicidade imensa receber esse convite”. A cantora de funk se mostrou, inclusive, disposta a continuar rainha do bloco no carnaval do próximo ano. “Lógico. Se eu receber o convite, estou aqui, firme e forte”.

Ela se integrou à corte do Bola, formada pela cantora Maria Rita (madrinha), o cantor Neguinho da Beija Flor (padrinho), a atriz Leandra Leal (porta-estandarte), a porta-bandeira da Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis, Selminha Sorriso (musa das musas), e o compositor João Roberto Kelly, apelidado de “o Rei das Marchinhas”, que recebeu este ano o título de embaixador do carnaval bolapretense.

A funkeira pretende aproveitar o posto de rainha do Cordão da Bola Preta para passar à multidão o seu jeito de ser feliz. “Acho que é isso que vai agregar valor ao Bola Preta”.

 

Fonte: Agência Brasil - Alana Gandra

 (Nota do editor: notícia originalmente publicada em 24/01/2016 - 16 visitas até 12:16h)

DISTRITO FEDERAL, Brasília - Desde o dia 22 de janeiro, o Prêmio Viva Leitura - que irá premiar quatro iniciativas de promoção de leitura em categorias diferentes - tem um comitê gestor, formado por integrantes dos ministérios da Cultura e da Educação, da OEI (Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura), do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação). A decisão foi anunciada na última sexta-feira, 22, no Diário Oficial da União. 

Com objetivo de estimular, fomentar e reconhecer as melhores experiências que promovam a leitura, o Viva Leitura – realizado desde 2006 - integra as ações do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL). Nesta 8ª edição, o prêmio continuará a selecionar quatro iniciativas em diferentes categorias, concedendo a cada uma o prêmio de R$ 25 mil. 

Os trabalhos a serem premiados são nas seguintes categorias: 1) "Bibliotecas Públicas, Privadas e Comunitárias"; 2) "Escolas Públicas e Privadas"; 3) "Promotor de leitura (pessoa física); e 4) "ONGs, universidades/faculdades e instituições sociais", que desenvolvam trabalhos na área de leitura. 

"Além das quatro categorias, a menção honrosa José Mindlin deste ano irá selecionar projetos que tenham crianças ou jovens envolvidos na gestão ou na realização dos projetos, que receberão troféu e medalhas, e não tem prêmio em dinheiro", informa Fernando Braga, coordenador-geral de leitura da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Ministério da Cultura (DLLLB/MinC).

A cada ano a menção honrosa tem um enfoque diferente. Na edição passada, em 2014, a menção honrosa selecionou projetos que tratam da educação indígena. 

A primeira reunião do Comitê Gestor está marcada para a próxima terça-feira, 26, 10h, em Brasília. A meta do grupo é aprovar o edital para que, até o fim do mês, ele seja lançado, com perspectiva de premiação em abril. 

Segundo Braga, a minuta do edital foi construída em atendimento às críticas e observações de participantes das edições anteriores, para que a nova versão tenha um linguajar mais direto e acessível. 

 

Fonte: MinC - Camila Campanerut

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 24/01/2016 - 7 visitas até 11:52h)

PARANÁ, Curitiba - A edição 54 do Cândido, jornal mensal da Biblioteca Pública do Paraná, traz uma amplareportagem a respeito de como as bibliotecas estão se adaptando ao momento tecnológico em que vivemos. Especialistas afirmam que, faz tempo, as instituições deixaram de ser apenas local para empréstimo de livros. De acordo com os estudiosos, a tendência é expandir a área de atuação, tornando-se centros culturais de acesso ao conhecimento para viabilizar ao público a oportunidade de conferir espetáculos, palestras, bate-papos e, mais que tudo, conviver.

Para acoordenadora do Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU), Regiane Alcântara Eliel, “a tendência é que as bibliotecas, não apenas as universitárias, se tornem espaços para atividades práticas de construção de conhecimento e informação.” O professor emérito da Universidade de Brasília (UnB) e diretor da Biblioteca Nacional de Brasília, Antonio Miranda, concorda com a colega da Unicamp, e acrescenta: “Finalmente estamos na era do `todos para todos`, em que qualquer pessoa publica, troca informação, critica, trabalha em forma cooperativa, universaliza o conhecimento.”

Outros conteúdos

A edição de janeiro de 2016 do Cândido também traz reportagem sobre o projeto de remição de pena por leitura no Estado do Paraná — iniciativa pioneira no país, em atividade desde 2012, contando atualmente com 2,5 mil participantes, quase 13% do total de 19,5 mil apenados do Paraná. Outro destaque é a entrevista com o escritor Ferréz, autor, entre outros, de Capão pecado e do recém-publicado Os ricos também morrem, criador do selo Literatura Marginal e ativista cultural na periferia paulistana. 

Na seção de inéditos, trechos de dois romances históricos que serão lançados em 2016. O primeiros deles, A bíblia do Che, do paranaense Miguel Sanches Neto, resgata a passagem de Che Guevara pelo Paraná nos anos 1960. Já Anita, do escritor Thales Guaracy, usa como matéria-prima para a ficçãoa trajetória de Anita Garibaldi. Além disso, o jornal também publica um conto de Jorge Ialanji Filholini e um poema da curitibana Priscila Merizzio.

Completam a edição uma adaptação gráfica do romance O médico e o monstro, clássico do escocês Robert Louis Stevenson, o ensaio fotográfico de Murilo Ribas na seção “Cliques em Curitiba” e, ainda, a trajetória de leitura do advogado aposentado João Carlos de Freitas aparece na seção “Na Biblioteca”. 

Serviço:

O Cândido tem tiragem mensal de 10 mil exemplares e é distribuído gratuitamente na Biblioteca Pública do Paraná e em diversos pontos de cultura de Curitiba. O jornal também circula em todas as bibliotecas públicas e escolas de ensino médio do Estado. É enviado, via correio, para assinantes a diversas partes do Brasil. É possível ler a versão online do jornal no seguinte endereço: www.candido.bpp.pr.gov.br. O site também traz conteúdo exclusivo, como entrevistas, vídeos e inéditos.

 

Fonte: divulgação por e-mail

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 24/01/2016 - 16 visitas até 11:56h)

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31